SANTA MÔNICA

Êxtase de Santa Mônica e Santo Agostinho

Santa Monica e Santo Agostinho

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Mônica nasceu em Tagaste, atual Argélia, na África, no ano 331, no seio de uma família cristã. Desde muito cedo dedicou sua vida a ajudar os pobres, que visitava com frequência, levando o conforto por meio da Palavra de Deus. Teve uma vida muito difícil. O marido era um jovem pagão muito rude, de nome Patrício, que a maltratava. Mônica suportou tudo em silêncio e mansidão. Encontrava o consolo nas orações que elevava a Cristo e à Virgem Maria pela conversão do esposo. E Deus recompensou sua dedicação, pois ela pôde assistir ao batismo do marido, que se converteu sinceramente um ano antes de morrer.

Tiveram dois filhos, Agostinho e Navígio, e uma filha, Perpétua, que se tornou religiosa. Porém Agostinho foi sua grande preocupação, motivo de amarguras e muitas lágrimas. Mesmo dando bons conselhos e educando o filho nos princípios da religião cristã, a vivacidade, inconstância e o espírito de insubordinação de Agostinho fizeram que a sábia mãe adiasse o seu batismo, com receio que ele profanasse o sacramento. E teria acontecido, porque Agostinho, aos dezesseis anos, saindo de casa para continuar os estudos, tomou o caminho dos vícios. O coração de Mônica sofria muito com as notícias dos desmandos do filho e por isso redobrava as orações e penitências. Certa vez, ela foi pedir os conselhos do bispo, que a consolou dizendo: “Continue a rezar, pois é impossível que se perca um filho de tantas lágrimas”.

Agostinho tornou-se um brilhante professor de retórica em Cartago. Mas, procurando fugir da vigilância da mãe aflita, às escondidas embarcou em um navio para Roma, e depois para Milão, onde conseguiu o cargo de professor oficial de retórica. Mônica, desejando a todo custo ver a recuperação do filho, viajou também para Milão, onde, aos poucos, terminou seu sofrimento. Isso porque Agostinho, no início por curiosidade e retórica, depois por interesse espiritual, tinha se tornado frequentador dos envolventes sermões de santo Ambrósio. Foi assim que Agostinho se converteu e recebeu o batismo, junto com seu filho Adeodato. Assim, Mônica colhia os frutos de suas orações e de suas lágrimas.

Mãe e filho decidiram voltar para a terra natal, mas, chegando ao porto de Óstia, perto de Roma, Mônica adoeceu e logo depois faleceu. Era 27 de agosto de 387 e ela tinha cinquenta e seis anos. O papa Alexandre III confirmou o tradicional culto a santa Mônica, em 1153, quando a proclamou Padroeira das Mães Cristãs. A sua festa deve ser celebrada no mesmo dia em que morreu. O seu corpo, venerado durante séculos na igreja de Santa Áurea, em Óstia, em 1430 foi trasladado para Roma e depositado na igreja de Santo Agostinho.

 

 

 

Hino à Santa Mônica

Ó Santa Mônica das lágrimas e preces,
Tu nos ensinas sempre a Deus nos confiar:
Nos bons momentos, nos sofrimentos,
Glória e louvor merece em tudo o bom Senhor!
Desta Família agostiniana brasileira
És a excelsa e querida padroeira!
Te suplicamos: hoje e sempre roga a Deus por todos nós!

O mundo inteiro aqui celebra o teu nome,
Santa mulher, que em ti viveste o amor materno,
Chorando o filho, que chorava a procurar
A Bela Fonte da Verdade e do Bem!

São tantas mães que buscam força e consolo
Em seus caminhos, percorrendo mar e terra!…
Por nossos lares intercede junto a Deus,
Tu que contemplas sua face lá nos céus!

Nossa família agostiniana em ti se alegra,
Contigo vai, seguindo a luz de Jesus Cristo!
E atraídos pelo Espírito do Amor,
Cantemos as misericórdias do Senhor!

Oração da Mãe pela fé dos  Filhos

Senhor, somos mães cristãs. Com a vossa ajuda e da nossa família, temos gerado nossos filhos para esta vida temporal.

Nosso ideal, porém, não termina aqui. Queremos, também gerá-los para a vida eterna.

Com este propósito, queremos, com a mesma tenacidade e confiança de Santa Mônica, dirigir a vós estas nossas preces;

Resposta: Ajudai-nos Senhor:

  • Para que, a exemplo de Santa Mônica, saibamos guias os nossos filhos até vós, com a nossa vida decididamente cristã. Rezamos….
  • Para que, na nossa família saibamos acolher o dom da vida, como um presente da vossa bondade, e ensinemos aos nossos filhos a amá-la e respeitá-la. rezamos.
  • Para que nosso filhos sejam um dia, homens e mulheres amadurecidos e responsáveis, solidários com os outros e comprometidos com a sociedade e com a igreja. Rezamos….
  • Para que façamos da nossa família uma comunidade de amor, onde reinem o respeito, o diálogo e a mútua colaboração. Rezamos….
  • Para o senhos se digne semear na alma de algum de nosso filhos e filhas o germe da vocação religiosa ou sacerdotal e saibamos, com amor, colaborar para o crescimento dessa vocação. Rezamos….
  • Para que com nosso exemplo de vivência na fé, façamos que os nossos filhos possam crescer no conhecimento e no amor, á comunidade onde vivemos, colaborando nos movimentos de apostolado e em união com a família Agostiniana. Rezamos.
  • Para que, se algum filho nosso, vacilar na fé e se desviar do bom caminho, saibamos: pais, irmãos e familiares, envolvê-lo com amor, compreensão e orações para conseguirmos o seu retorno. Rezamos….

Oração

Maria, Mão da Consolação, que consolastes a Santa Mônica, dando lhe a imensa alegria de ver a vitória da graça na inteligência e no coração do seu filho Agostinho; Sede vós também o nosso consolo e dai-nos a alegria de ver os nossos filhos firmes na fé que semeamos e suas almas. E se algum deles se desviar, que tenhamos a alegria de vê-lo retornar á fé, onde, com plena confiança, aguardamos a realização plena do nosso ideal e das vossas promessas.

Senhor, concedei-nos que, imitando Santa Mônica, saibamos, com ela, viver a nossa fé com plena delicadeza. E que como ela, também, saibamos influenciar positivamente na fé de nossos filhos, para que um dia possamos ter a plena satisfação de vê-los, todos juntos, na vossa glória para toda eternidade.
Amém.

 

 

 

Leave a reply

-->